México ameaça EUA com tarifas por subsídio aos carros elétricos.

Ministra da Economia do México chama o crédito fiscal proposto por Biden de discriminatório.

Por: Steven Loveday
Traduzido por: Julio Cesar

Os incentivos fiscais mais generosos para carros elétricos propostos pela administração Biden têm marcado presença no noticiário. Basicamente, a ideia é fornecer um subsídio adicional de US$ 4.500 para carros elétricos dos EUA desde que sejam produzidos por montadoras filiadas à United Auto Workers.

Com base nas informações disponíveis até agora, se a proposta for aprovada, apenas o Chevrolet Bolt EV e o Bolt EUV serão elegíveis para o crédito, ao menos inicialmente. Infelizmente, nem mesmo o próprio Bolt está em produção atualmente ou disponível para vendas por conta dos problemas da GM com as baterias fornecidas pela LG.

O Canadá já apontou que o crédito tributário potencial pode violar acordos comerciais. Agora, o México está seguindo o exemplo do vizinho do norte em um esforço para encorajar o governo dos EUA a reconsiderar a ideia. A ministra da Economia do México, Tatiana Clouthier, chamou o crédito proposto de “discriminatório”, e, segundo a Reuters, o país já está analisando várias ações legais que podem ser tomadas daqui por diante. Clouthier compartilhou em uma recente coletiva de imprensa:

“No passado, impusemos tarifas e teríamos que fazer ou propor algo muito importante e estratégico para esses produtos, naqueles lugares onde isso os afeta… para que as consequências possam ser sentidas.”

A ministra prosseguiu dizendo que a imposição de tarifas não era provavelmente o melhor plano, embora o México esteja disposto a fazer o que for necessário para proteger a indústria automotiva no país.

O popular Ford Mustang Mach-E é um veículo elétrico elegível para o crédito fiscal, mas como ele é produzido no México, só pode se qualificar para um crédito de US$ 7.500 ou US $ 8.000. Se fosse fabricado nos EUA, como o Chevrolet Bolt, receberia US$ 12.500 de incentivos. Isso se a proposta do Biden realmente for aprovada com o texto atual.

Há uma chance do novo crédito não se aprovado. Há, sem dúvida, uma chance ainda melhor de que ele eventualmente passe, embora apenas com modificações no texto para apaziguar os demais fabricantes que não estão sendo comtemplados.

O crédito proposto é apoiado pelo presidente Joe Biden e pela United Auto Workers (UAW). No entanto, é rejeitado por fabricantes como BMW, Daimler, Honda, Hyundai, Tesla e Toyota.

Clouthier também explicou que o crédito proposto é “totalmente contrário ao livre comércio”. Além disso, ela observou que isso poderia impactar negativamente as exportações automotivas do México, resultar em perda de empregos e, inevitavelmente, “gerar pressões migratórias adicionais”.

De acordo com a reportagem da Reuters, o México já se juntou à União Europeia, assim como Canadá, França, Alemanha, Itália, Japão e Coreia do Sul em outubro para enviar uma mensagem ao governo dos EUA apontando que o crédito fiscal proposto violará as leis de comércio internacional.

Veja mais detalhes em: https://insideevs.uol.com.br/news/553046/mexico-eua-incentivo-carros-eletricos/

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.